Cabeça fria

 

Para quem teme ficar careca, ele é o cara: o britânico David Salinger, 65, preside a Associação Internacional dos Tricologistas, entidade que pesquisa e aprova novos tratamentos para cabelos. Ele esteve em São Paulo participando de congresso e falando sobre a relação entre estresse e perda de cabelos. A tensão causa, sim, calvície, mas, ao contrário da calvície de origem genética, é reversível, diz o especialista.

Qual é a ação do estresse nos cabelos?
Um dos efeitos é o aumento de noradrenalina, neurotransmissor que interrompe o crescimento do cabelo. Além disso, alterações no sistema imunológico causam inflamações no couro cabeludo, o que afeta o nascimento de novos fios.

O que pode ser feito para evitar ou reduzir essa queda?
Eu uso suplementação de tirosina, um aminoácido que reduz inflamações e diminui a concentração de noradrenalina no couro cabeludo, fazendo os fios voltarem aos ciclos normais de nascimento, crescimento e queda.

O tratamento é demorado?
Se não houver outra causa além do estresse, depois de dois ou três meses a queda diminui e novos fios crescem.

Vale a pena usar como prevenção, para evitar a queda?
Não. Normalmente, o próprio corpo produz a tirosina de que precisa.

Há contraindicações?
Não pode ser usado por quem tem epilepsia ou está tomando antidepressivos.

Complexos vitamínicos para fortalecer cabelos funcionam?
Só se houver deficiência nutricional específica. Na mulher, a mais comum é de ferro. No homem, zinco e magnésio.

Hoje vemos homens mais jovens já carecas e mais mulheres sofrendo perda de cabelos. O sr. atribui isso ao estresse?
Seria uma explicação fácil, mas há outras causas. Nos homens, a principal causa de calvície é ligada a hormônios e determinada por genes dominantes. Quando um traço genético é dominante, o número de pessoas com a característica aumenta com o tempo. Outro fator que faz com que a perda de cabelos comece mais cedo é o uso de hormônios: certos anticoncepcionais, anabolizantes...

O estresse também acelera o surgimento de fios brancos?
Sim, porque afeta o sistema imunológico, que produz mais leucócitos [células brancas do sangue] para o corpo lutar contra infecções. Os leucócitos também atacam as células-tronco dos pigmentos nos folículos.

Qual a dica para não ficar careca antes da hora?
Meu conselho é não gastar muito dinheiro com isso. Algumas coisas podem até ajudar, mas, se o problema for de origem genética, nada é garantido. E ficar gastando fortunas em tratamentos capilares só aumenta o estresse.

 

Fonte:
Iara Biderman
de São Paulo - Folha SP